Polícia Federal agora faz previsão sobre quando Lula deverá ser preso

Os advogados do ex-presidente Lula ainda não se pronunciaram sobre o novo ataque de um integrante da Polícia Federal (PF) contra a moral do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nesta sexta-feira, o delegado Igor Romário de Paula, que integra a tropa de elite da Operação Lava Jato, previu que Lula estará encarcerado em cerca de 60 dias.

O escritório Teixeira Martins apresentou, sim, defesa prévia na ação em que o ex-presidente, a ex-primeira dama D. Marisa Letícia — internada e em coma induzido no Hospital Sírio e Libanês — e outros sete suspeitos são investigados por indícios dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

O processo apura se a Odebrecht pagou propina por meio da compra do terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula. Consta, ainda, o apartamento vizinho ao do ex-presidente em São Bernardo, no ABC Paulista. Os advogados afirmam que Lula jamais comandou ou participou de organização criminosa. E que ele nunca teve conhecimento de qualquer esquema de corrupção na Petrobras.

Lula na mira

Por conta deste e de outros processos a que o líder petista responde, na Justiça Federal, em conversa com jornalistas, nesta manhã, o delegado Igor de Paula previu que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará preso em até oito semanas.

— É complicado falar em perder timing. Os requisitos para uma prisão preventiva são bastante objetivos. Lá atrás, na fase 24 da Lava Jato, quando houve a representação do Ministério Público (quando da tentativa de sequestro do ex-presidente Lula, em março), não existiam os requisitos para um pedido de prisão do ex-presidente. Não acho que a gente perdeu o timing. Esse timing pode ser daqui a 30 dias, a 60 dias. A investigação que envolve o ex-presidente Lula é muito ampla — disse o delegado. Ele comentava acerca das declarações do também delegado da PF Maurício Moscardi. Este havia dito, anteriormente, que a PF “perdeu o timing” para a prisão de Lula.

Segundo Igor de Paula, “o timing pode ser daqui a pouco”.

— Não vejo nem perda de tempo nem condescendência com o fato de se tratar um ex-presidente. O próprio juiz Sergio Moro já mostrou que ele não leva isso em consideração quando toma suas decisões. Esse timing pode ser mais para frente, pode não ser aqui, pode aparecer nas investigações que acontecem em Brasília — acrescentou.

Igor Romário de Paula já foi criticado pela defesa de Lula por integrar, em 2014, a campanha presidencial do senador Aécio Neves (PSDB-MG). O líder tucano também delatado na Lava Jato. De Paula postava mensagens de apoio ao candidato derrotado pela petista Dilma Rousseff.

Ferocidade

Em artigo publicado após as declarações do delegado, o jornalista Fernando Brito, editor do site de notícias Tijolaço, critica a atitude. Ele afirma que “prisão sem julgamento no Brasil só existe em caso de ocultação de provas, tentativas de obstruir investigações por expedientes ilegais. Ou manifesto risco à sociedade”. Diante do fato, acrescenta que “o delegado Igor mostra – como se ainda fosse preciso – que não se trata de um expediente legal. Mas da legalização da obsessão lavajatiana de prender o ex-presidente, por algum e qualquer motivo”.

“Num país minimamente cioso da isenção de seu sistema policial-judicial, toda esta turma já teria sido afastada. Há muito tempo. Por transformar o seu poder em perseguição política e na realização de seus desejos pessoais. Agora, porém, a atitude do delegado, que já é absurda em qualquer tempo, assume ares de um tortura emocional contra alguém que está aos pés de um leito de UTI. Com a companheira de décadas entre a vida e a morte, depois de um gravíssimo acidente vascular cerebral”, acrescentou Brito.

“Um homem que age assim é pior, muito pior, do que as duas ou três sociopatas que foram fazer provocações à porta do Hospital Sírio Libanês. Porque  é o Estado quem lhe confiou uma missão, de agir com isenção e prudência. Em uma palavra, todos nós lhe confiamos um poder, que não pode ser exercido para a crueldade e a morbidez.

Fragilidade

“Com Lula, ou com qualquer outro dos que investigam (ou que não investigam, como Aécio Neves) isso é  vergonhoso, indigno, desumano e ilegal.

“Mas é, sobretudo, revelador da desumanidade, do caráter cruel e insensível de um cidadão. Em lugar de cumprir suas obrigações funcionais, vai à mídia agredir as pessoas em situação de fragilidade.

“O Doutor Igor não consegue nem ser um Javert e atirar-se ao Sena, num único gesto de humanidade. Atira-se à lama, quando se presta ao papel de promover-se no momento de um drama pessoal”, concluiu.

 

Correio do Brasil

27/01/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *